Bitcoin como Banco Comunitário: Lições Aprendidas na Bitcoin Beach

Esta é a tradução do texto “Bitcoin Banking for Communities: Lessons Learned from El Zonte”, publicado originalmente no site da Galoy no dia 10 de novembro de 2021.

Tradução por Leta.

Com a palavra, a equipe da Galoy:

Prefácio

A mudança revolucionária geralmente é desencadeada por aqueles que são muito jovens e ingênuos para entender que seu empreendimento está fadado ao fracasso. Embora eu não possa reivindicar a desculpa da juventude, quando a Bitcoin Beach foi lançada, felizmente eu ainda não tinha gasto tempo suficiente no Twitter para “saber” que o Bitcoin nunca seria usado por pessoas para comprar uma xícara de café. Se tivéssemos feito uma pesquisa prudente ou começado com estudos de viabilidade padrão, teríamos percebido nossa loucura. Felizmente, a maioria de vocês agora pode encontrar El Salvador no mapa porque éramos estúpidos demais para perceber isso.

No caso da Bitcoin Beach, a verdade muitas vezes é mais estranha do que a ficção. Ninguém poderia imaginar que a primeira economia verdadeiramente baseada em Bitcoin encontraria sua gênese em uma pequena vila rural em El Salvador. Liderado por um expatriado de meia-idade que ainda usa o e-mail da Earthlink, que fez parceria com um jovem líder comunitário salvadorenho que mal concluiu a 6ª série.

Em retrospecto, o resultado era óbvio: uma população que luta contra a pobreza e a falta de inclusão financeira sempre esteve destinada a entender o valor do Bitcoin antes das comunidades ricas em Cingapura ou no Vale do Silício. Parece divinamente apropriado — aqueles que pavimentaram o caminho começaram tão risivelmente desqualificados que nenhuma comunidade que resolver seguir seus passos precisa se sentir intimidada.

Em El Salvador, o Bitcoin é o dinheiro dos pobres e excluídos financeiramente. Para os salvadorenhos que vivem na pobreza, os debates entre o ouro digital e os campos de dinheiro digitais parecem inacessíveis e sem relevância prática. Para aqueles que mais precisam do Bitcoin, é a forma como compram o pão de cada dia e como economizam para o futuro. Eles não veem necessidade de escolher um ou outro.

Portanto, aqui em 2021, vemos uma pequena nação empobrecida mostrando ao mundo como o Bitcoin nivela as condições de competição para os pobres. Sabemos que a Bitcoin Beach é apenas um vislumbre. Mas esperamos que seja a faísca que irá desencadear incêndios em todo o mundo. Convidamos você a visitar El Zonte e nos ajudar a divulgar essa visão de uma comunidade carente utilizando Bitcoin que está permitindo a inclusão financeira em todo o mundo.

– Mike Peterson (@bitcoinbeach)

Do projeto local à moeda nacional em dois anos

O projeto Bitcoin Beach começou com uma pergunta simples, mas aspiracional: podemos construir uma economia circular sustentável em Bitcoin?

A resposta é um sim retumbante. O que começou como um projeto comunitário em uma cidade remota evoluiu para uma história sobre seis milhões de pessoas mostrando ao mundo que Bitcoin é dinheiro.

Neste guia, cobrimos seis lições aprendidas no desenvolvimento da Bitcoin Beach Wallet e a infraestrutura de código aberto subjacente que a alimenta. Nosso objetivo é ajudar as comunidades ao redor do mundo a acelerar seu próprio aprendizado e adoção do Bitcoin e da Lightning Network.

O que é a Bitcoin Beach?

Na costa do Pacífico de El Salvador fica El Zonte, uma pequena cidade do surfe com uma população de 3.000. Seus residentes foram deixados de fora do sistema bancário tradicional e há décadas enfrentam a violência das gangues e a falta de inclusão financeira. Nos últimos dez anos, um pequeno grupo de indivíduos tem trabalhado para iniciar mudanças e trazer esperança de volta a El Zonte.

Jorge Valenzuela, Roman “Chimbera” Martinez e Mike Peterson começaram a administrar programas para jovens por volta de 2009 para dar aos filhos de El Zonte a oportunidade de brincar, aprender e sonhar. De surf para todos a aulas de informática e projetos de serviços comunitários pagos, os programas abriram novas possibilidades em um lugar que antes parecia um beco sem saída.

Jorge, Chimbera e a equipa colocaram o fitness, a educação e o serviço comunitário no centro da vida quotidiana em El Zonte. (Fonte: Twitter)

Em 2019, Mike foi abordado por um indivíduo que queria apoiar seus programas por meio de uma doação de bitcoin. Havia um porém: a doação deve ser gasta dentro da comunidade, em vez de trocada para moeda fiduciária. O objetivo seria criar uma economia circular sustentável baseada no Bitcoin, onde comerciantes e membros da comunidade pudessem trocar bens, serviços e mão de obra por sats. Jorge e Mike aceitaram o desafio e nasceu a Bitcoin Beach.

Desde o início, estava claro que este projeto desafiaria noções preconcebidas sobre o Bitcoin:

  1. Bitcoin é um ativo especulativo para os ricos. Se você sintonizar canais e sites de notícias de negócios, ouvirá discussões constantes sobre preço, volatilidade e comparação com outros ativos e investimentos como ouro e ações. Você ouvirá sobre como os bancos estão oferecendo exposição a seus clientes de alto patrimônio líquido. O que você não vai ouvir é como o Bitcoin está permitindo o fortalecimento econômico em algumas das partes mais pobres do mundo.
  2. Bitcoin é uma reserva de valor, não um meio de troca. Embora a utilidade do Bitcoin como reserva de valor seja amplamente aceita, o Bitcoin como meio de troca é um tópico fortemente contestado até hoje. A justificativa vai; “Se o preço do bitcoin continuar crescendo na taxa atual, ninguém vai querer gastá-lo em bens e serviços.”

À medida que o projeto se transformava da ideia em ação, a crescente equipe de coordenadores e alunos da Bitcoin Beach notou os problemas que o Bitcoin poderia resolver para sua comunidade:

  1. Os bancos tradicionais não fazem negócios nas comunidades mais pobres. El Salvador está no sistema do dólar americano desde 2001, o que torna seu setor financeiro sujeito às regulamentações dos Estados Unidos. O alto custo de conformidade imposto por essas regulamentações desincentiva os bancos de atender às pessoas em países mais pobres. Por exemplo, quando o proprietário do Garten Hotel tentou abrir contas bancárias para seus funcionários e depositar seus salários diretamente, ele descobriu que custaria US $ 50 por mês, por funcionário. Isso equivale a mais de 10% da renda mensal de uma pessoa que trabalha com um salário mínimo.
  2. Receber pagamentos de remessas é caro e demorado para pessoas em El Zonte. Os pagamentos de remessas internacionais para El Salvador representaram 23% do PIB do país em 2020. Custa mais de US $ 3 em taxas para alguém receber US $ 10 de um membro da família no exterior. Não há Western Union em El Zonte, então pode levar horas e várias viagens de ônibus para os residentes chegarem a um escritório onde possam receber a remessa. Isso se soma aos dias que pode levar para o dinheiro chegar em El Salvador da pessoa que iniciou a transferência.
  3. É difícil economizar sem acesso ao sistema bancário. Estar “sem conta bancária” não impede apenas que alguém tenha uma conta bancária. Também os exclui do acesso ao tipo de investimentos e ativos que podem protegê-los contra a inflação. Um impacto inesperado da introdução do Bitcoin foi o número de pessoas que começaram a economizar uma parte significativa de sua renda pela primeira vez em suas vidas.
A equipe da Bitcoin Beach se dedicou a ajudar sua comunidade a realizar transações digitais usando Bitcoin. (Fonte: Twitter)

Com o bitcoin para alimentar o crescimento do projeto, a equipe começou a trabalhar. Eles começaram a integrar a comunidade, uma pessoa de cada vez, à rede Bitcoin. Eles aprenderam, educaram e se adaptaram ao longo do caminho. A chegada da pandemia no início de 2020 serviu como um acelerador para a adoção do Bitcoin. Os residentes em El Zonte precisavam de apoio conseguiram doações de bitcoin fornecidas pelo projeto Bitcoin Beach.

Um artigo da Forbes de 2020 colocou a Bitcoin Beach no centro das atenções e começou a atrair o apoio de outros bitcoiners que queriam ajudar. Um desses Bitcoiners foi Nicolas Burtey, cofundador da Galoy, que se ofereceu para vir a El Zonte para desenvolver uma carteira sob medida para as necessidades da Bitcoin Beach. Em pouco tempo, a Bitcoin Beach Wallet nasceu e o projeto Bitcoin Beach estava ganhando impulso para realizar sua visão.

A esta altura, a maioria das pessoas já sabe o fim da história: o presidente de El Salvador, Nayib Bukele, anunciou em 5 de junho de 2021 que o Bitcoin se tornaria com curso legal no país. Bukele relatou em um Twitter Spaces que o governo se inspirou no projeto Bitcoin Beach e que o objetivo da lei era replicar o que aconteceu em El Zonte para todo o país. Ele mencionou especificamente que a inclusão financeira dos membros mais pobres da sociedade salvadorenha foi a motivação principal. Em 7 de setembro de 2021, La Ley Bitcoin (a “Lei Bitcoin”) entrou em vigor. Desde então, a Bitcoin Beach se tornou uma parte central da história global de adoção do Bitcoin. Atraiu bitcoiners de todo o mundo que querem ver como é tomar um café sentado, aulas de surf ou um bife pagando com bitcoin. Também se tornou um modelo para outras comunidades replicarem.

Mais importante ainda, a Bitcoin Beach criou uma comunidade onde as crianças de El Zonte podem sonhar e construir seu futuro.

A Bitcoin Beach Wallet

A Bitcoin Beach Wallet é uma solução comunitária e de código aberto para o Bitcoin. Uma wallet que foi projetada para atender às necessidades dos comerciantes e membros da comunidade em El Zonte. Ela utiliza um modelo de custódia compartilhada multisig que oferece uma alternativa às soluções padrão sem ou com custódia que estão mais amplamente disponíveis hoje.

Cristina usa a Bitcoin Beach Wallet para vender sabonetes artesanais. Os clientes podem pagá-la via nome de usuário, digitalizando uma fatura em seu telefone ou visitando sua página de fatura (Fonte: Twitter)

Dentro da Bitcoin Beach Wallet, o capital é agrupado e administrado pela comunidade. Isso oferece benefícios a todos os membros da comunidade:

  • Os canais da Lightning são gerenciados para membros e não há custo para abrir / fechar canais
  • Transações “intra-usuários” gratuitas e instantâneas são disponibilizadas dentro da comunidade
  • O uso eficiente de servidores online significa menores custos por usuário em comparação com a alternativa de cada comerciante ter seu próprio servidor
  • As taxas podem ser reduzidas por lotes de transações em rede

Recursos adicionais no aplicativo ajudam a apoiar os esforços em direção a uma economia Bitcoin sustentável:

  • Capacidade de pagar via endereço Bitcoin, fatura Lightning ou nome de usuário individual
  • Um saldo unificado de on-chain e Lightning, mostrando o saldo em USD e sats
  • Um registro das transações exibe um histórico de pagamentos entre usuários
  • O mapa compatível com dispositivos móveis exibe todas as empresas locais que aceitam pagamentos Lightning
  • Um endereço da web que os usuários podem compartilhar para receber bitcoin de qualquer pessoa com uma carteira compatível com Lightning (veja: ln.bitcoinbeach.com/bitcoinbeach)

Se você estiver interessado em construir um aplicativo móvel de front end como o Bitcoin Beach Wallet, pode acessar o repositório galoy-mobile no GitHub.

Sem mais delongas, aqui estão as principais lições que a Galoy aprendeu com a construção em El Zonte.

Lição 1: a educação é fundamental

Bitcoin é algo difícil de entender. Ele abrange ciência da computação, economia, história, criptografia, política monetária e muito mais. Felizmente, uma pessoa não precisa dominar totalmente o Bitcoin para usá-lo e se beneficiar dele. Quantas pessoas que usaram o fiat durante toda a vida realmente entendem como o dinheiro funciona?

Mostrar aos salvadorenhos como usar o Bitcoin é um processo contínuo para Jorge e a equipe da Bitcoin Beach. (Fonte:Twitter)

Aqui estão cinco dicas a serem consideradas ao educar sua comunidade:

  • Os organizadores da comunidade são essenciais para o processo de integração. Ter uma equipe de integração presencial garante que as pessoas comecem com o pé direito. Isso é especialmente importante em comunidades onde o Bitcoin apresenta a oportunidade de realizar transações digitais pela primeira vez.
  • É mais eficaz mostrar às pessoas como usar o Bitcoin do que falar sobre isso. Ajudar as pessoas a baixar e interagir com uma carteira, e fazer com que enviem e recebam sats é mais eficaz do que tentar fazer com que elas cheguem a ideias.
  • Ensine as crianças. Eles vão ensinar seus pais. As crianças de El Zonte aprenderam rapidamente como usar o Bitcoin. Eles, por sua vez, ajudaram seus pais a embarcar em casa.
  • Caixas eletrônicos de Bitcoin ajudam a conectar os pontos mentais entre Bitcoin e fiat. Um caixa eletrônico de Bitcoin acabou sendo um recurso útil para o processo de integração. Quando as pessoas podem trocar o bitcoin em sua carteira móvel pela moeda local, elas constroem um relacionamento mais forte com a ideia do Bitcoin como dinheiro.
  • Ajude as pessoas a esperar e se planejar para lidar com a volatilidade de curto prazo. Estabeleça expectativas para que sua comunidade possa estar preparada para quedas no preço do Bitcoin. Considere um programa que compensa os comerciantes cujo saldo da conta cai devido a flutuações de preços por um período inicial de integração até que seu conforto com o Bitcoin seja estabelecido.

Conforme você for construindo sua comunidade, reserve um tempo para se conectar e aprender com as pessoas da Bitcoin Beach. Eles são gigantes em cujos ombros você pode se apoiar. Sua dedicação ao serviço existia antes do Bitcoin e transcende o Bitcoin. Bitcoin agora se tornou um meio pelo qual eles podem trazer oportunidades e esperança para o futuro de El Salvador.

Lição 2: Lightning é um acelerador para Bitcoin como dinheiro

A Lightning Network é o protocolo mais subestimado do mundo. Há apenas dois anos, era uma “maneira imprudente” de fazer transações. Agora está sendo usado pelo McDonalds, Starbucks e Pizza Hut em El Salvador. O crescimento de nós, canais e capacidade está acontecendo em um ritmo alucinante. O recente relatório da Arcane Research “The State of the Lightning Network” fornece um vislumbre de algumas das métricas e expectativas de crescimento.

O Bitcoin Beach inicialmente usava transações on chain para distribuir bitcoin dentro da comunidade. Enquanto isso funcionava para ambientes educacionais e para transferir sats para membros da comunidade, suas limitações se tornaram uma barreira para o progresso em direção a uma economia circular.

Os salvadorenhos experimentaram como a utilidade do Bitcoin como meio de troca é limitada sem uma camada secundária como o Lightning:

  1. As taxas on chain eram muito caras para facilitar os gastos diários. Os residentes de El Zonte precisam ser capazes de gastar pequenas quantias em dólares, como 50 centavos para pupusas.
  2. Usar bitcoin na rede para transações de varejo cria “poeira”. A Bitcoin Beach experimentou o “problema de transações que viram poeira” em primeira mão. As saídas de transações não gastas (UTXOs) registram como o valor é movido na timechain. Quando o valor de um UTXO se torna menor do que o custo de gastá-lo, o bitcoin é considerado “poeira” insondável.
  3. No ambiente de varejo, qualquer coisa menos do que uma liquidação instantânea cria atrito tanto para a empresa quanto para o consumidor. O Bitcoin é construído para segurança e incorruptibilidade na camada base. Não se destina a velocidade e taxa de transferência de transações.
A Lightning permite pagamentos rápidos, fáceis de usar e baratos que os comerciantes exigem em um ambiente de varejo. (Fonte: Galoy)

A camada secundária Lightning Network é a tecnologia que poderia derrubar o sistema de varejo tradicional e trazer a promessa do Bitcoin como dinheiro para o mundo. Nossos cofundadores escreveram sobre isso no artigo de 2020 “Relâmpago como um sistema de pagamento de varejo?

A Lightning Network serviu como um acelerador e um facilitador da visão do projeto Bitcoin Beach. Sem ele, usar Bitcoin como dinheiro em El Salvador seria mais difícil e mais caro; até poderia ter atrapalhado ou pelo menos atrasado o projeto.

A integração da Lightning Network tornou-se senso comum para qualquer carteira ou serviços financeiros baseados em Bitcoin. Ele libera um vasto potencial para transações quase de graça, globais, em tempo real e sem permissão.

Lição 3: a integração do comerciante é necessária para promover uma economia circular local

Levantar uma economia circular de Bitcoin apresenta um problema do tipo “ovo e galinha”. Os residentes precisam de lugares para usá-los e os comerciantes precisam de clientes que os gastem. Tornar mais fácil e desejável aceitar o Bitcoin é um passo importante para estimular a adoção da comunidade local.

O objetivo final é tornar o recebimento de bitcoins mais rápido, fácil e barato do que qualquer outra moeda ou meio de pagamento.

Mama Rosa (na foto com seu filho Jorge) foi a primeira comerciante em El Zonte a aceitar Bitcoin. (Fonte: Twitter)

Aqui estão algumas experiências que moldaram a forma como projetamos para comerciantes:

  1. Não faça os comerciantes pensarem sobre a conversão de moeda. Reduza a carga mental necessária para calcular preços, mostrando valores em dólares (ou moeda local) e valores em bitcoin em saldos, faturas e telas de histórico de transações.
  2. Habilite várias maneiras de os comerciantes serem pagos. Os comerciantes não devem ter que criar faturas para cada transação. Usando a Bitcoin Beach Wallet, os clientes podem pagar via nome de usuário, código QR impresso, selecionando o comerciante em um mapa ou usando as páginas de fatura que cada usuário pode compartilhar em ln.bitcoinbeach.com/[username].
  3. Faça o processo exigir menos tempo, atenção e cliques. O ponto de virada para os comerciantes de El Zonte veio quando a Galoy permitiu que os clientes definissem o valor da fatura. Os comerciantes não precisam mais parar o que estão fazendo para criar uma fatura. Eles podem simplesmente olhar o alerta em seu telefone para verificar se um pagamento foi recebido. Agora é mais fácil aceitar bitcoins do que dinheiro ou crédito.
  4. Crie incentivos para os comerciantes para ajudar a encorajar a adoção desde o início. Em El Zonte, havia um programa de “reembolso” por algumas semanas, no qual os comerciantes ganhavam 20% de volta com seu bitcoin. Este tipo de promoção ajuda a impulsionar testes e estimular o crescimento inicial da economia circular.
  5. Não perca o foco no importante papel que os comerciantes desempenham no apoio à economia Bitcoin. As necessidades dos comerciantes em cada comunidade serão diferentes, portanto, dedique um tempo entendendo e projetando para eles desde o início.

Lição 4: a experiência do usuário deve ser desenvolvida no contexto da comunidade

A Bitcoin Beach está na fronteira da adoção da Lightning Network. Como Mike costuma dizer, “Há crianças pequenas em El Zonte que fazem mais transações Lightning do que a maioria dos Bitcoiners OG.”

Conforme a economia do Bitcoin crescia, a equipe percebeu as necessidades não atendidas e a funcionalidade desejada que ajudaria a tornar a vida mais fácil para os residentes e comerciantes. Estar localmente presente em El Zonte proporcionou uma visão inestimável para Nicolas enquanto ele estava construindo a carteira da Bitcoin Beach.

Assistir às pessoas usando Bitcoin em comércios em El Zonte trouxe à tona percepções úteis para o design de produtos e serviços. (Fonte: Galoy)

Observação: lembre-se de que é importante testar seus aplicativos e serviços na comunidade a que se destinam. Faça sua própria pesquisa.

Seis experiências de usuário aprendidas ao testar a Bitcoin Beach Wallet na natureza:

  1. Não assuma que o local possuirá boa conexão com a Internet. O desenvolvimento para áreas com conectividade irregular pode exigir otimização e tolerância a falhas no nível da rede, o que normalmente não seria necessário nos Estados Unidos.
  2. A integração de aplicativos apresenta uma janela perfeita para a educação. A Bitcoin Beach Wallet tem um questionário integrado que orienta os usuários em uma breve introdução ao Bitcoin. Cada pergunta recompensa o usuário com sats para tirá-los de zero desde o início.
  3. “Sats é o padrão”, mas USD ainda é a unidade de conta. As pessoas pensam em sua moeda local, não em sats, quando integram o Bitcoin. A transição para o pensamento em sats é gradual, a moeda local deve ser a unidade de conta ao trazer uma nova comunidade para a rede.
  4. Adicione interações que conectam clientes a comerciantes. A guia do mapa na carteira da Bitcoin Beach ajuda os clientes a encontrar lugares onde podem gastar Bitcoin. Ele também permite transações rápidas e fáceis, permitindo que o cliente crie e pague faturas.
  5. As notas de pagamento ajudam na manutenção de registros. Tanto os clientes quanto os comerciantes podem se beneficiar com a possibilidade de adicionar notas às transações. Com base na opinião da comunidade, o recurso evoluiu de privado (no nível do usuário) para compartilhado. Agora, o remetente e o destinatário podem ver a nota anexada à transação.
  6. Fique por dentro de como os formatos de pagamento relâmpago estão evoluindo. Novos formatos de pagamento, como Lightning Address, faturas estáticas e BOLT 12 estão surgindo em um ritmo rápido. A seleção de quais formatos adotar dependerá do cenário específico. A Bitcoin Beach Wallet foi inicialmente lançada com um código QR impresso que levava a uma página de fatura (como ln.bitcoinbeach.com/mamarosa). Novos formatos estão sendo considerados agora para reduzir o atrito e melhorar a interoperabilidade.

Lição 5: a custódia da comunidade é uma ponte para a autocustódia

A autocustódia é o estado final desejado para cada pessoa que possui dinheiro em bitcoin. A regra número um da custódia do Bitcoin é “Sem suas chaves, sem suas moedas” (not your keys, not your coins).

A autocustódia não é a única forma, nem a forma mais adequada de integrar as comunidades ao conceito e à prática do uso do Bitcoin.

“Você tem que dar passos de bebê. Se você colocar todos esses obstáculos no início, as pessoas nunca entrarão no ecossistema. ” — Mike Peterson no podcast Tales from the Crypt # 173

O espectro da custódia do Bitcoin

Os modelos de custódia de Bitcoin seguem um espectro não muito diferente do espectro de conveniência/privacidade. Por um lado, você tem UX simples, acesso fácil a fundos e integração em todo o ecossistema do banco fiduciário. Por outro lado, você tem placas de metal estampadas à mão, frases (as senhas) fragmentadas e modelos de custódia com várias assinaturas que exigem várias etapas ou várias pessoas para movimentar os fundos.

Diferentes casos de uso têm diferentes cenários de risco que tornam as compensações aceitáveis. Por exemplo, armazenar riqueza em uma conta bancária é geralmente considerado mais seguro do que carregá-la como dinheiro em uma carteira, mas carregar pequenas quantias de dinheiro para compras diárias proporciona conveniência.

A Bitcoin Beach Wallet oferece uma opção de custódia compartilhada onde os fundos podem ser armazenados dentro de uma comunidade.

Todo modelo tem valor, desde que 1) seja usado para um propósito adequado e 2) guie as pessoas ainda mais para a direita à medida que elas acumulam mais de sua riqueza em bitcoin.

Custódia comunitária: relembrando os dias dos bancos sindicais

O modelo de custódia que adotamos para a Bitcoin Beach é o que Galoy chama de “custódia comunitária”. É uma solução com várias assinaturas, em que as chaves dos fundos do armazenamento são mantidas por membros estabelecidos da comunidade local. Esse modelo reduz a dependência de empresas centralizadas fora da comunidade, ao mesmo tempo que reduz o atrito dos membros de integração com a rede.

Uma nota sobre bancos comunitários

Os bancos comunitários existem em todo o mundo há centenas de anos. Seu objetivo principal é apoiar as necessidades socioeconômicas de um grupo de pessoas com interesses comuns. Freqüentemente, o interesse compartilhado está centrado em uma localização geográfica. Os fundos mantidos pelos bancos comunitários são obtidos e emprestados às pessoas da comunidade de uma maneira mais voltada para o relacionamento do que o banco universal típico.

Os bancos comunitários são especialmente importantes para comunidades como El Zonte porque permitem que as decisões sejam tomadas localmente com os melhores interesses dos membros da comunidade em mente. A solução bancária de Bitcoin de código aberto da Galoy foi construída para permitir que qualquer comunidade ou instituição ao redor do mundo se auto-organize dessa maneira.

Para obter mais informações sobre a interseção entre o Bitcoin e o banco comunitário, consulte o artigo da Fulgur Ventures “O papel do Bitcoin para o banco comunitário”.

Bitcoin Beach Wallet como um banco comunitário de Bitcoin

Os fundos da Bitcoin Beach Wallet são administrados por membros da comunidade, proporcionando um meio de pagamento sem atrito e de baixo custo projetado para apoiar a economia local.

Veja por que a custódia da comunidade funciona para Bitcoin Beach:

  1. Remover o atrito é a etapa mais importante para criar os efeitos de rede necessários para a circularidade na economia. Os humanos são naturalmente resistentes a mudanças e rápidos em rejeitar novas idéias ou reverter a velhos hábitos. Como Mike Peterson disse em sua entrevista de junho de 2020 com Marty Bent: “Você tem que dar passos de bebê. Se você colocar todos esses obstáculos no início, as pessoas nunca entrarão no ecossistema. ”
  2. Pode ser difícil armazenar as senhas com segurança e confiabilidade em comunidades remotas e emergentes. Para as pessoas que moram em casas com piso de terra e telhados de zinco, não existem locais seguros para armazenar senhas escritas. Usar senhas escritas também apresenta problemas para pessoas que não sabem ler ou escrever, o que não é incomum em muitas partes do mundo.
  3. Pessoas que usam Bitcoin ficam mais confortáveis ​​com ele com o tempo. Moradores de El Zonte agora enviam bitcoin pela Lightning Network diariamente. Alguns começaram a acumular sats e juntaram mais riqueza do que jamais teriam com dólares americanos. Esta é uma tendência inspiradora que a Bitcoin Beach está apoiando por meio de educação e treinamento sobre autocuidado. As melhorias de UX também continuarão a tornar a auto custódia mais acessível para mais usuários em todo o mundo.

As soluções de custódia de código aberto da comunidade surgiram como um modelo valioso para integrar comunidades ao Bitcoin. Acreditamos que eles terão um papel significativo em levar Bitcoin para o primeiro bilhão de usuários.

Lição 6: comece pequeno e ganhe impulso antes de expandir

É emocionante ver o crescimento das comunidades em todo o mundo trabalhando para conectar suas vilas e cidades à rede Bitcoin. O Lago Bitcoin na Guatemala e a Bitcoin Beach Brasil são dois exemplos iniciais. Alguns Bitcoiners começaram a chamar Tonga de “Ilha Bitcoin” depois de ouvir o plano de quatro partes do Lorde Fusitu’a para trazer Bitcoin para seu país.

A educação individual é uma parte contínua do processo de integração de uma comunidade. (Fonte: Twitter)

Para aqueles que estão começando, oferecemos duas ideias principais sobre como passar de uma ideia a uma economia:

  1. Começar com uma comunidade definida ajuda a construir uma base sólida. Bitcoin Beach se beneficiou de servir uma população de 3.000 que estava geograficamente separada de outras aldeias. Esse foco estreito nos permitiu capturar e adaptar os aprendizados em tempo real que nos prepararam para o crescimento exponencial que se seguiu.
  2. O crescimento acontece “gradualmente, depois de repente”. Ao trazer uma comunidade para o Bitcoin, espere gastar tanto esforço e tempo integrando as primeiras 50 pessoas quanto as próximas mil. Como o Bitcoin é uma rede, as regras gerais de efeitos de rede serão aplicadas. Felizmente, desenvolvedores, educadores e empresas de Bitcoin em todo o mundo estão criando ferramentas para ajudar qualquer comunidade a começar.

Muitas pessoas ouviram falar da Bitcoin Beach pela primeira vez em 2021, mas o projeto levou anos para ser executado. A equipe da Bitcoin Beach, que dedicou milhares de horas ensinando o básico, respondendo a perguntas e solucionando problemas, é a base de todo o projeto. Sem eles, a Bitcoin Beach não seria a história de sucesso sobre a qual você lê hoje.

Considerações para abrir um Banco Bitcoin

Construa uma base sólida com a equipe, tecnologia e treinamento certos.

“Nós somos uma grande família com grandes sonhos” — @romanmartinezc

1. Reúna sua equipe. Identifique pessoas que têm o espírito, coragem e paixão para liderar sua comunidade através da mudança de sistema que o Bitcoin representa. Existem dois ângulos principais a serem considerados desde o início:

  • Engajamento da comunidade: para entender como é esse nível de organização da comunidade, basta seguir e aprender com Jorge, Chimbera e Mike.
  • Tecnologia: há muitos fatores a serem considerados ao escolher as soluções de tecnologia nas quais construir seu Banco Comunitário com Bitcoin. Ter acesso a alguém que pode orientá-lo nas decisões em torno do espectro de custódia de Bitcoin, nós da Rede Lightning e gerenciamento de liquidez, uso de carteira quente e fria e outros fatores o ajudará a estabelecer uma base sólida para o crescimento.

2. Encontre uma fonte de financiamento. Garantir o acesso ao financiamento é um passo importante para integrar uma nova comunidade ao Bitcoin, especialmente em países mais pobres onde os residentes não têm economias ou renda disponível. Ter fundos disponíveis para pagar por materiais e serviços ajudará a manter as operações, e a distribuição de sats dentro da comunidade no início será necessária para estimular a circularidade na economia.

3. Encontre uma solução tecnológica. As ferramentas para fornecer serviços financeiros em cima do Bitcoin ainda estão surgindo. A infraestrutura bancária de Bitcoin de código aberto Galoy é uma solução que visa tornar mais fácil para comunidades e instituições oferecer serviços financeiros em Bitcoin e Lightning.

4. Defina seu modelo de custódia e planeje uma configuração com várias assinaturas (multisig). A custódia é um tópico fundamental que merece atenção aos detalhes e compreensão do seu público. Para comunidades de Bitcoiners experientes, permitir a autocustódia é uma obrigação. Ao integrar uma população desbancarizada, você pode decidir que um modelo de custódia da comunidade como o projetado para a Bitcoin Beach é o ponto de partida apropriado. De qualquer forma, planeje manter os fundos de reserva em uma configuração multisig.

5. Desenvolva um plano de treinamento e apoio comunitário. A comunidade Bitcoin é incrivelmente generosa com materiais educacionais e outros recursos, então olhe e pergunte primeiro. Pode não haver lugar melhor do que o “Bitcoin Twitter” para se conectar com os vídeos, artigos e ativos de que você precisa para começar a integrar sua comunidade. Lembre-se de que o uso do Twitter pode ser muito baixo nas comunidades para as quais você está construindo.

6. Chegou a hora de ir pra ruas! A integração acontece com uma pessoa por vez, conversando com a comunidade e dando às pessoas a oportunidade de receber e enviar seus primeiros sats.

Siga o Jorge (foto), Chimbera e Mike Peterson para ficar conectado à jornada de El Zonte.

Conclusão

É inspirador ver comunidades e instituições em todo o mundo trabalhando lado a lado para levar Bitcoin para o primeiro bilhão de pessoas. Esperamos que este guia ajude a acelerar o aprendizado e encoraje uma boa discussão.

A Galoy também organizou a conferência Adopting Bitcoin: A Lightning Summit em El Salvador nos dias 16 e 18 de novembro como uma forma adicional de apoiar a adoção do Bitcoin e celebrar o sucesso da equipe do Bitcoin Beach. Temos a honra de estar na companhia de pessoas como Jorge, Chimbera, Mike e inúmeros outros que deram vida à visão de uma economia Bitcoin circular.

Se você gostaria de ver e usar nosso código, ele é gratuito e de código aberto no GitHub.

Você também pode entrar em contato no twitter @galoymoney e em nosso Slack público.

--

--

--

Alguém cansado de ler tanta bobagem a respeito de um tema importante. Este espaço será utilizado para traduções e para textos autorais

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Explica Bitcoin

Explica Bitcoin

Alguém cansado de ler tanta bobagem a respeito de um tema importante. Este espaço será utilizado para traduções e para textos autorais

More from Medium

The Top Assets to Hold in Your Crypto IRA for 2022

New to Crypto? Follow these 5 Tips to avoid Cat Burglars!

Relationship between inflation, money & Bitocin

‘Rich Dad Poor Dad’ Author Says Bitcoin is “Pathway to Financial Heaven”